quinta-feira, 8 de maio de 2008

Top 10 Tools to Get Blogging Done

Top 10 Tools to Get Blogging Done

Writing your blog should be a fun way to stretch your mind and stay connected to trends, friends, and the greater world, not another computer task that takes far too long to get done. But that's exactly what it can feel like if it takes you more time to find your post ideas, tweak your markup, and make everything look right than to actually get your thoughts down. Being somewhat experienced at this blogging thing, your Lifehacker editors have pinpointed a few tools and tricks that make our posts go faster and smoother. After the jump, we round up 10 of them.

10. Skip the copy/paste with AutoCopy

autocopy.jpgMany bloggers quote passages from other web pages, and referencing those snippets of language usually requires a Control/Command+C, then Control/Command+V once you're at the exact right place in your markup. Not so with AutoCopy, a free Firefox extension that automatically adds whatever text you've highlighted in your browser to the clipboard, then pastes it when you middle-click anywhere in Firefox. If you're not using a quick-blog tool like Tumblr, it might be the closest equivalent to the kind of speed-of-thought blogging that keeps writing from turning into a chore. (Original post)

9. Copy links and their titles with CoLT

colt_2.jpgWhen it comes time to post a relevant link at the end of most Lifehacker posts, the uninitiated (read: me, a few months ago) have to first copy the URL of the link, paste it in the right spot, then head back, copy the title of the linked page (being careful not to click!), then paste it inside the link tags. Those who have discovered the magic of the Copy Link Text Firefox extension, on the other hand, have magic right-click options that make grabbing the URL, the text, or both parts of a link dead simple. Give your right-click a rest and get back to adding context. (Original post)

8. Make reusable templates for posts and images

photoshop_batch.jpgA lot of posts are, at least structurally, very similar, with a certain-size picture up top, a certain formatting for IM pastes or photo dumps, or similar repetitions. To save your time for real editing, try using Wired's guide to automating Photoshop actions. For hand-coding HTML, it pays to create templates out of your common formats (tables, unordered lists, picture posts) and plug them into a text-substitution app (see below for links and ideas). If you're tinkering with your site's design or layout, why re-invent the wheel? Grab a free template for Blogger, WordPress, or one of 40 general CSS templates for use on any site,. Need more? Check out Gina's roundup of seven different free HTML templates.

7. Live-blog from your phone with Jott

jott_top10.jpgFree voicemail-to-text service Jott can help you nail down post material while you're on the go with a phone call, but you can also use the service directly with a number of blogging platforms, including Blogger, Typepad, LiveJournal, Tumblr, and WordPress. If you're hosting your own blog, you can still use Jott's voice-to-email service in conjunction with your platform's email-to-post function to indirectly get your thoughts up online, even while you're miles from your keyboard.

6. Automate repetitive code with text replacement

hotstring_top10.jpgIf you've ever manually embedded a Flickr photo, created a custom headline or signature template, or searched out previously-used code to copy and paste for your posts, you need to add a text replacement app to your stable. Any of them—Texter for Windows, TextExpander for Mac OS X, or Snippits for Linux—can quickly paste, while also preventing common typos and misspellings. If you just want to speed up your HTML coding, try Adam's Markdown automation script, a stand-alone, blog-focused precursor to Texter.

5. Get topic-based post ideas sent to your inbox every day with Google Alerts

googlealert_top10.jpgWhether you write about a team, a certain topic, or a broad trend, Google Alerts brings your post material to you. Use the same kind of advanced search operators you use on Google's main search site to laser-focus on a particular kind of web site, blog post, news story, or group post you're looking for. Decide if it gets sent as fast as Google's servers find it, or in a daily or weekly email digest. Using Alerts exposes you to a wider array of information than you'd get from a defined list of RSS feeds, and it's an easy way to keep your eyes on the web without really being at the search box all day.

4. Spend less time resizing images

picnik_scaled.jpgFew blogs can get by with just words alone, but finding the perfect image to illustrate a post—and then making it fit right—can take more time than the post itself. If you're not committed to Photoshop or its open-source alternative, GIMP, free online image editing site Picnik is a good bet, both for its right-click Firefox extension and its integration with Flickr. If you've got a whole set of pictures to post up, you can try the Windows-only ImageResizer, or for an elegant solution, use the export-and-resize functionality of Picasa. (For more on finding reusable images, see our six ways to find reusable media.

3. Keep post ideas synchronized with Foxmarks

foxmarks_top10.jpgGreat posting fodder can be found at all hours of the day, but you're not always ready to post it at that exact moment. Use the Foxmarks bookmark synchronizer, and your bookmarks toolbar becomes a universal idea space you can drag-and-drop your links onto. Anyone who likes more control over their backed-up bookmarks can synchronize with their own server, and it can be rolled into a portable Firefox to help you get blogging done with just a thumb drive and some spare time. (Original post)

2. Quick post media (minimum writing required) with Tumblr

tumblr_top10.jpgA tumblelog—that is, a quick-post blog powered by the Tumblr webapp—makes posting your thoughts, IM chats, videos, photos, and other favorite media tidbits a lot less intimidating than the wide-open HTML spaces of Wordpress, Movable Type, and other platforms (which are still great for longer, text-and-links posts). The real time-saver is Tumblr's bookmarklet, which makes capturing and preparing a new post a one-click affair. Here's more on keeping up an instant, no-overhead blog with Tumblr.

1. Bookmark and track email and posts with Gmail

gmailthis2_cropped.jpgAdam showed us back in the day how you could set up Gmail as a bookmarking service (using the Gmail this bookmarklet), but with Gmail's 2.0 version, it's even easier to throw the emails that inspire you to get blogging with your other links, as they have short, human-readable permalinks that you can easily drag into a bookmark folder. And, assuming your blog inspires some kind of feedback, you can keep it separated and organized from your day-to-day mail using filters and persistent searches.

To all our blog-savvy readers: What sites, tools, or tricks are indispensable to making your posting routine a fun, efficient hobby? Let's hear about your finds in the comments.

9:00 AM on Wed May 7 2008
By Kevin Purdy

Fundamentalistas e grafistas, a miopia do curto prazo

Fabio Colombo
Na teoria de investimento, as duas principais linhas utilizadas para selecionar os ativos na composição dos portfólios de investimento são a análise fundamentalista e a análise gráfica.

Em resumo, a análise fundamentalista se baseia no estudo de balanços de empresas, projeções de mercado, setores econômicos, economia nacional e internacional, entre outros, de modo a procurar prever o comportamento dos preços dos ativos.

A analise gráfica, por sua vez, não leva em conta as variáveis da análise fundamentalista, mas, a grosso modo, somente os movimentos passados de preço e os volumes negociados do ativo, procurando identificar padrões gráficos que indiquem mudanças na oferta e procura pelo ativo e possibilitem prever seu comportamento futuro.

A análise fundamentalista é a mais aceita, basicamente pelo seu embasamento técnico, pois se sustenta em dados concretos e lógicos de fácil entendimento. A analise gráfica, por muitos questionada devido ao seu fundamento teórico discutível, é baseada em padrões de formações e figuras gráficas de preços e volumes.

O ponto, que vale ser discutido, é em que condições as duas teorias recomendam a compra ou venda de um ativo.

Na teoria fundamentalista, quanto melhores forem os indicadores e perspectivas de uma empresa, por exemplo, mais fortes serão as recomendações de compra; ocorrendo o inverso nas recomendações de venda, quando os indicadores e perspectivas não forem favoráveis. É importante ressaltar que, na prática, quando os indicadores e perspectivas melhoram, o preço do ativo sobe imediatamente, valendo o oposto na piora do cenário. Como os fundamentalistas sempre esperam ter dados concretos para recomendar a compra ou venda de um ativo, inevitavelmente comprarão ou venderão, respectivamente, após determinada alta ou baixa do ativo. Em outras palavras, os fundamentalistas compram "na alta" e vendem "na baixa". Nunca veremos um adepto dessa teoria fazer uma recomendação de compra quando uma empresa estiver passando por dificuldades e o preço de sua ação estiver em baixa; tampouco recomendar a venda quando a empresa estiver passando por momentos muito favoráveis e o preço de sua ação estiver batendo recordes de cotação.

Na outra análise, são utilizados padrões gráficos, de modo a encontrar pontos adequados de compra e venda de determinado ativo. Essa teoria pressupõe que os preços se movem em tendências, que seguem as leis de oferta e procura, que são determinadas pelas mudanças de atitudes dos investidores, em geral, face às informações econômicas, monetárias e políticas, entre tantas outras.

Sua principal fundação é que essas tendências apresentam certa duração de tempo e podem ser detectadas em sua fase inicial, de modo que o investidor possa "surfar na onda" até que a tendência se reverta, e um novo ciclo se inicie.

Sem entrar em muitos detalhes técnicos, os preços, segundo a teoria, tendem a flutuar em um canal, definidos por uma "linha de resistência" superior, e uma inferior chamada de "linha de suporte". Quando o preço rompe a "linha de resistência" superior (ponto de compra), se inicia um processo de alta; ocorrendo o inverso quando o preço rompe a "linha de suporte" inferior (ponto de venda). Note que, na análise gráfica as recomendações de compra e venda ocorrem após um processo de confirmação de alta ou baixa respectivamente.

O interessante é que as duas teorias, embora por motivos diversos, acabam recomendando comprar ou vender, respectivamente, após um processo de alta ou baixa.

Todo investidor já escutou, em algum momento, a máxima do mercado a ser seguida: "comprar na baixa e vender na alta". Todos concordam que é o conselho mais óbvio e lógico que existe, mas extremamente difícil de ser seguido. Esse fato é confirmado pelo exposto acima.

Na minha visão, o que leva as duas teorias a agirem dessa forma é a preocupação com o resultado de curto prazo em detrimento do de longo prazo, esquecendo as reversões de mercado que ocorrem ciclicamente.

Para concluir, posso afirmar, baseado em minha experiência prática, que é muito mais rentável procurar obter resultado no longo prazo, comprando e vendendo gradativamente, ao longo, respectivamente, das baixas e altas reais de ativos de boa qualidade, que ocorrem ao longo do tempo, do que seguir teorias que, predominantemente, só valorizam o curto prazo.

Fabio Colombo é administrador de Investimentos

E-mail: facolom@terra.com.br

What Do Disney’s Numbers Say About the U.S. Economy?

You might think that in a weak economy, consumers would cut back on things like trips to Disney’s (DIS) theme parks.

Turistas brasileiros agora preferem o euro

Cristiane Perini Lucchesi, de São Paulo
Como a top model Gisele Bünchen, os turistas brasileiros agora preferem os euros aos dólares. Segundo participantes no mercado de câmbio turismo, a compra de euros para uso nas viagens internacionais cresceu mais do que a de dólares. A demanda pela moeda da União Européia tem sido tão forte no Brasil que a Confidence, a maior corretora no segmento de câmbio turismo no país, acaba de lançar um cartão de débito em euro, produto da Travelex, maior organização não-bancária de câmbio no mundo.

"O Brasil se tornou um mercado tão importante para nós que estamos lançando o produto aqui ao mesmo tempo do que nos Estados Unidos", diz David Sear, diretor-gerente da divisão de global outsoursing da Travelex, maior organização não-bancária de câmbio no mundo, com faturamento de US$ 2 bilhões no ano passado. Ele veio pela primeira vez ao país para o lançamento do chamado Visa Travel Money em euros, que será emitido pelo Banco Schahin.

"O turista brasileiro está fazendo sua poupança para uma viagem futura cada vez mais em euro, por causa da estabilidade maior da moeda", comenta Robin Ortner, diretor da Travelex do Brasil. Os números do Banco do Brasil, um dos principais bancos a atuar no segmento de câmbio turismo, comprovam a tendência. No primeiro trimestre, o aumento na compra de euros para turismo foi de 55%, diz o BB, enquanto o aumento na compra de dólares foi de 15%.

No ano passado, o BB fechou um total de US$ 240 milhões de câmbio turismo, dos quais 34% ou US$ 82 milhões foram de euro, diz Nilo Panazzolo, diretor da área internacional do BB.

A Confidence não quis revelar o total de câmbio fechado no ano passado. Mas, segundo a corretora, no primeiro trimestre de 2007 o volume de euros comprados representou 29% das vendas totais de câmbio turismo, percentual que cresceu para 32% no no primeiro trimestre de 2008.

A expectativa da Confidence é vender cerca de ? 25 milhões do Visa Travel Card em euros neste ano. O cartão de débito em dólar, lançado em janeiro do ano passado, totalizou US$ 60 milhões em vendas em 2007, revela Andreas Wiemer, diretor regional da Confidence. Com isso e as vendas de outros parceiros da Travelex no Brasil, o país já assumiu a posição de quinto maior mercado do cartão de débito para viagem da Travelex. Está atrás da inglaterra, Estados Unidos, Austrália e África do Sul, diz Sear.

A Travelex, que comprou a Thomas Cook em 2000, não está mais emitindo os tradicionais travelers cheques desde o final do ano passado. " É um um produto em extinção", diz Sear. "Experimente usar um traveler cheque na Europa", comenta. O comércio não aceita e apenas alguns bancos trocam o produto, mesmo quando em euros, e ainda cobram comissões altíssimas.

"O cartão de plástico é a evolução natural, um produto do século 21", diz Sear. Segundo ele, o mercado não tem crescido tão rapidamente quanto o esperado, pois as pessoas demoram a se acostumar com a idéia de um cartão pré-pago. Estão mais acostumadas com o cartão de crédito, pós-pago, que no Brasil tem custo fiscal (Imposto sobre Operações Financeiras) de 2% sobre o total adquirido no exterior, mas taxa de câmbio mais próxima do dólar comercial, mais favorável, portanto, do que o dólar turismo. Segundo Wiemer, o dólar turismo é mais caro do que o comercial por causa do custo das corretoras e agências de turismo nas operações menores. Ontem, ele era 5,45% mais caro.

No caso do Visa Travel Card, o cliente fecha o câmbio já no seu país, antecipadamente. Segundo Sear, o turista não tem de pagar nenhuma comissão na hora do saque de moeda em caixa eletrônico Visa ou do pagamento no estabelecimento comercial no país no qual está viajando que aceite a bandeira Visa. Sobre ele, não recai IOF. Mas, a taxa de câmbio a ser usada é a do câmbio turismo, como no caso do traveler cheque. Para estimular a venda, a Confidence promete taxa mais favorável do que a de câmbio turismo normal. O Visa Travel Card "é a forma mais segura e leve de carregar grande quantidades de dinheiro", diz Christopher Russell, vice-presidente da Travelex para as Américas. A assinatura eletrônica dificulta o uso indevido e o cartão pode ser cancelado logo após ser perdido. Agregado ao cartão, há um serviço de apoio ao viajante, que inclui médicos e advogados, todos pagos separadamente.

O próximo passo para a Travelex é trazer ao Brasil, até o final do ano, seu cartão em libras esterlinas e o cartão corporativo. Sear explica que a companhia aérea Virgin, por exemplo, vai usar os cartões corporativos da Travelex para pagar seus funcionários, pois dessa forma suas aeronaves não precisam carregar dinheiro.

O real mais forte tem estimulado os gastos dos turistas brasileiros no exterior, que subiram 59%, para US$ 2,5 bilhões, no primeiro trimestre deste ano na comparação com o mesmo período de 2007. A Confidence, embalada por esse movimento, cresceu 60% sua receita no ano passado na comparação com 2006. Vai investir R$ 4 milhões para abertura de mais 40 unidades em 2008, com relação às 64 lojas próprias existentes hoje. Pretende também abrir ainda neste ano seu Banco de Câmbio. Espera para isso autorização do Banco Central. A Confidence atua também em parceria com outras 4,5 mil agências de turismo no país.

Analistas apostam em Ibovespa acima de 80 mil pontos neste ano

São Paulo, 8 de Maio de 2008 - Com a elevação do Brasil a grau de investimento pela agência de classificação de risco Standard & Poor ’s, as corretoras revisaram para cima o potencial de valorização do Ibovespa para o final deste ano, que deve alcançar, segundo média dos analistas, os 80 mil pontos.
Depois de rebaixar a projeção do Ibovespa de 85 mil pontos para 75 mil pontos, com o agravamento da crise no mercado de crédito, a Win, homebroker da Alpes Corretora, voltou a trabalhar com a estimativa inicial, prevendo aumento do fluxo de recursos estrangeiros com o grau de investimento. "Nós havíamos rebaixado a estimativa para o Ibovespa, com anúncio de grandes perdas dos bancos com o mercado de crédito imobiliário nos Estados Unidos. Agora, com o grau de investimento, a liquidez para o mercado brasileiro deve aumentar", afirma Fausto Gouveia, analista da Win.
Ele destaca que o mercado não esperava o anúncio da reclassificação do rating brasileiro ainda no primeiro semestre, e que por isso, os preços dos ativos devem passar por uma correção. No primeiro momento, segundo Gouveia, as ações de grandes empresas com maior liquidez de negociação, conhecidas como blue chips, devem ser as mais beneficiadas no curto prazo. Mas os papéis de empresas menores (small caps), principalmente de bancos de médio porte, apresentaram aumento do potencial de valorização . "Os bancos médios que ganharam a classificação de investment grade com a elevação do rating soberano devem ter uma redução do seu custo de financiamento externo, o que deve trazer valorização dos seus papéis", diz.
O Banco Citigroup também revisou a projeção de valorização do Ibovespa para o final de 2008 para 74 mil pontos, 10% a mais que a estimativa anterior. O banco recomenda elevação da exposição para empresas produtoras de matérias-primas e de produtos de consumo básico, e mantém classificação neutra para as companhias do segmento de combustíveis e do setor financeiro. "No curto prazo as ações brasileiras devem cair devido à alta recente da bolsa, ao fortalecimento do real e ao aumento dos juros promovido pelo Banco Central", aponta o estrategista do banco, Geoffrey Denis, em relatório.
Para o chefe de análise e pesquisa da corretora Ágora, Marco Melo, o maior impacto do grau de investimento para a bolsa deve vir em 2009 com o aumento do fluxo dos investimentos estrangeiros. A corretora manteve a projeção para o Ibovespa neste ano em 82 mil pontos, valorização de cerca de 28% no ano. Ele destaca que o volume de negociação na Bovespa apresentou um incremento de cerca de 25% neste ano, mas que os investidores estrangeiros devem voltar mais seletivos. "No primeiro momento a valorização deve se concentrar nas ações blue chips", diz.
Segundo o chefe da área de análise da corretora Planner, Ricardo Martins, a bolsa brasileira deve ser beneficiada pela melhora do cenário externo. "Os indicadores norte-americanos começam a apontar para uma recuperação da economia dos Estados Unidos, e apostamos num cenário positivo no segundo semestre", afirma. A corretora manteve a projeção para o Ibovespa neste ano em 82 mil pontos, no entanto, Martins ressalta que uma queda no preço das commodities metálicas e o aumento da inflação no mercado externo podem trazer risco para o desempenho da bolsa.
(Gazeta Mercantil/Finanças & Mercados - Pág. 3)(Silvia Rosa)

Juros e dólar fecham em alta pelo terceiro dia consecutivo

São Paulo, 8 de Maio de 2008 - O anúncio de que o IGP-DI (Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna) de abril ficou bem acima das expectativas reforçou a preocupação do mercado financeiro com as crescentes pressões inflacionárias e provocou a alta nos contratos futuros de juros negociados na BM&F (Bolsa de Mercadorias e Futuros) pela terceira sessão consecutiva.

O IGP-DI subiu 1,12% em abril, bem acima da previsão de 0,80% e da alta de março de 0,70%. O mercado aguarda ainda a divulgação amanhã do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) de abril. O IPCA é o indicador de inflação mais relevante, sendo monitorado pelo Banco Central para definir a taxa Selic.

As projeções de juros de longo prazo embutidas nos contratos de Depósitos Interfinanceiros (DI) negociados na BM&F fecharam sinalizando avanço. O DI de janeiro de 2010, o mais negociado, registrou taxa de 14,07%, ante 13,91% do ajuste anterior.

Para resgate em janeiro de 2009, a taxa ficou em 13%, contra 12,89% do ajuste anterior. Janeiro de 2012 fechou com juro anual de 13,82%, ante 13,64% do ajuste anterior. O contrato de DI de junho ficou estável em 11,59% e julho apontou taxa anual de 11,83%, contra 11,89% do último ajuste.

No mercado de câmbio, a percepção dos investidores de que o governo vai adotar alguma medida para conter a escalada do real sustentou a terceira sessão consecutiva de alta do dólar comercial. A divisa norte-americana terminou o dia com avanço de 1,75%, cotado a R$ 1,690 na venda e na R$ 1,688 na compra.

A queda de mais de 1% nos índices acionários norte-americanos davam condições para a recuperação da moeda frente ao real e às outras divisas estrangeiras. O mercado também espera para ver se outras agências de classificação de risco vão elevar o rating do Brasil para o grau de investimento e se a prometida enxurrada de dólares no mercado doméstico irá se confirmar.

O anúncio da Moody´ s de que a melhora na perspectiva de rating para o Brasil depende da possibilidade do fortalecimento adicional tanto das finanças públicas quanto do perfil de dívida, que reduziriam significativamente as vulnerabilidades atuais, contribuiu para o pessimismo do mercado. Recentemente, rumores de que o governo iria aumentar a alíquota do IOF para investimentos estrangeiros circularam no mercado. Em seguida veio a notícia da criação de um fundo soberano, que foi interpretada pelo mercado como um sinal de que o governo está preocupado com a valorização do real.

O mercado acompanhou no final dos negócios, a declaração do ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciando que o valor do fundo soberano deve variar de 5% a 10% das reservas internacionais - que atualmente acumulam mais de US$ 190 bilhões. O ministro, entretanto, insistiu em dizer que os recursos não virão das reservas. O governo também informou que irá emitir US$ 500 milhões em bônus soberano nos mercados europeus e norte-americano.

"Todas estas medidas serão inócuas no médio prazo. O dólar deve retomar a trajetória de baixa, podendo cair abaixo de R$ 1,60", afirmou o economista-chefe da Fator Corretora, Vladimir Caramaschi.

A Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) fechou a sessão em baixa de 1,68%, nos 69.017 pontos. Foi a primeira vez que a Bovespa fechou em queda e abaixo dos 70 mil pontos após o anúncio do grau de investimento.

Nos Estados Unidos, as bolsas terminaram o dia em baixa. O índice Dow Jones caiu 1,59%, o SP&500 recuou 1,81% e a bolsa eletrônica Nasdaq retrocedeu também 1,81%.

(Gazeta Mercantil/Finanças & Mercados - Pág. 2)(Ana Cristina Góes)

quarta-feira, 7 de maio de 2008

Sete hábitos para reguladores financeiros

Por Martin Wolf
"Em termos simples, o brilhante novo sistema financeiro - com todos os seus talentosos participantes, com todas as suas ricas recompensas - falhou no teste do mercado." - Paul Volcker, 8 de abril de 2008.

Paul Volker é o gigante entre os presidentes de bancos centrais contemporâneos, tanto literal como figurativamente. Foi ele quem teve a coragem moral para esmagar a inflação como presidente do Federal Reserve entre 1979 e 1987. Quando Volcker fala, as pessoas ouvem. O que ele tinha a dizer ao clube econômico de Nova York no mês passado valia muito a pena ser ouvido ( www.econclubny.org ). Sua conclusão, citada acima, foi tão devastadora por ser tão verdadeira.

Volker ressaltou que esta crise não foi única. Pelo contrário, "a crise financeira de hoje representa o auge, na minha conta, de pelo menos cinco sérios colapsos de importância sistêmica nos últimos 25 anos - na média, um a cada cinco anos. Sinal de alerta suficiente para indicar que algo muito básico está errado." Os que não deram a devida importância a tais alertas estão fadados a sofrer algo ainda pior.

Então, o que deve ser feito? Há uma parte de mim - de bom tamanho, na verdade - que diz: "Esqueçam a regulamentação: nunca funcionará. À exceção das leis normais contra fraude, deixem o sistema financeiro viver e morrer pelas leis de mercados competitivos. Se as empresas falirem, simplesmente deixem que afundem, com todos os seus acionistas, clientes e funcionários. Enquanto isso, recordaremos os usuários constantemente acerca dos perigos."

Suspeito que esta abordagem poderia nos oferecer um sistema financeiro melhor do que esse que temos agora. Mas este é um sistema que não podemos ter, pois os governos não ousariam nos permitir tê-los, como as experiências com o Northern Rock e o Bear Stearns nos recordam. O público, assim sentem os governos, precisa ser protegido dos bancos e os bancos precisam ser protegidos de si mesmos. As finanças são consideradas importantes demais para serem deixadas ao mercado.

Dito isso, a regulamentação precisará ser radicalmente reconsiderada, a menos, como aponta Volker, que estejamos à vontade com uma crise financeira substancial mais ou menos a cada cinco anos. Por mais poderoso que seja o lobby do setor financeiro, ele certamente será incapaz de se reservar uma licença para perpetrar uma devastação em tamanha escala, especialmente num momento, como ele também observa, "em que é difícil argumentar que o novo sistema trouxe benefícios excepcionais à economia de forma geral".

Até agora, é desejável ter regulação mais rígida para os interesses de longo prazo do setor, quanto mais para os do público. Qual, então, deverá ser o perfil da regulação? Nesse ponto eu gostaria de analisar o que considero serem os temas fundamentais. Ao fazê-lo, estou sendo influenciado por um excelente artigo de Nouriel Roubini, da Escola de Administração de Empresas Stern da Universidade Nova York (Ten Fundamental Issues in Reforming Financial Regulation and Supervision in a World of Financial Innovation and Globalization, www.rgemonitor.com [Dez temas fundamentais na reforma da supervisão e regulação financeira num mundo de inovação financeira e globalização]).

Portanto, eis os sete princípios da regulação.

Primeiro, cobertura. Talvez a lição mais óbvia seja os perigos da arbitragem reguladora: se as regras impunham certas exigências de capital, as instituições deslocavam as atividades para veículos fora dos balanços patrimoniais; se as regras operavam de forma restritiva em uma jurisdição, as atividades eram deslocadas para outro lugar; e se certas instituições estavam reguladas de forma mais rígida, então as atividades eram deslocadas para outras. A cobertura reguladora precisa ser completa. Todas as instituições alavancadas acima de certa dimensão precisam estar dentro da rede.

Segundo, amortecedores. O capital social é o amortecedor mais importante do sistema financeiro. Igualmente útil é a dívida subordinada. Se o Bear Stearns tivesse maior volume de capital social, as autoridades talvez não precisassem socorrê-lo. As exigências de capital devem ser as mesmas em toda a extensão do sistema financeiro, contra qualquer dada categoria de riscos. Mas também deve haver maior atenção no tocante à adequação daquele outro amortecedor: liquidez.

Terceiro, comprometimento. O modelo "originar-e-distribuir" tem, como já ficou claro, uma enorme desvantagem: os "originadores" não se importam suficientemente com a qualidade dos empréstimos que pretendem descarregar sobre os outros. Eles não têm, seguindo a frase de Warren Buffet, "a sua pele em jogo". Isso dá lugar a concessões de empréstimos negligentes, quando não irresponsáveis, ou até fraudulentas. Deve-se exigir dos originadores, portanto, que mantenham porções de maior risco ("equity") de empréstimos securitizados.

Quarto, sazonalidade. As regras existentes são pró-sazonais. O capital evapora em tempos difíceis, como conseqüência de baixas contábeis, agravando a desaceleração econômica e prejudicando mais ainda os ativos. A contabilidade de marcação a mercado, embora basicamente desejável, tem um efeito semelhante. Uma solução poderia ser diferenciar entre meta de níveis de capital e um nível mínimo mais baixo. Instituições que têm capital mínimo em tempos difíceis só precisarão visar um nível de meta mais alta ao longo de um período prolongado.

Quinto, clareza. Falta de informação, informação assimétrica e incerteza são inerentes às atividades financeiras. Isso explica porque são vulneráveis a oscilações no estado de ânimo coletivo. O sistema financeiro voltado a transações é particularmente vulnerável, pois a informação precisa fluir livremente através de mercados distantes. O grande desafio, portanto, é gerar o máximo de clareza possível. Outra questão é o papel calamitoso recente representado pelas agências de classificação de risco e os conflitos de interesse que permeiam o ambiente em que elas operam.

Sexto, complexidade. O excesso de complexidade é uma fonte importante de falta de clareza. Ela é muito prejudicial, como temos visto, para o modelo de originar e distribuir, pois mercados de complexos produtos securitizados podem às vezes travar, obrigando os bancos centrais a se tornarem "formadores de mercado de última instância", com todas as dificuldades que isso envolve. Uma possibilidade seria insistir que todos os derivativos sejam negociados em bolsas.

Sétimo, compensação. Nesse tema, não posso fazer melhor do que citar Volcker: "Em nome do alinhamento correto de incentivos, há enormes recompensas para transações bem-sucedidas e para originadores de empréstimos. O mantra do alinhamento de incentivos se perde na incapacidade de impor perdas simétricas - ou, freqüentemente, absolutamente nenhum tipo de perda - quando os fracassos se sucedem". Se os reguladores podem fazer algo efetivo não está claro. Que isto representa um desafio não resta dúvida.

John Maynard Keynes escreveu sobre um oitavo princípio. Ele argumentou que "quando o desenvolvimento do capital de um país se torna um subproduto das atividades de um cassino, provavelmente a tarefa está sendo mal executada". Ele tinha razão. As características de um cassino sempre estarão presentes num sistema financeiro que executa as funções essenciais de guardar as economias das pessoas e distribuí-las onde possam trazer o maior benefício.

A regulação sempre será extremamente imperfeita. Ainda assim, é preciso empreender um esforço para aprimorá-la.

Vegetal de saia.

Is The Crisis Over?

Is The Crisis Over?

Fellow Investor,

There's no denying that April was a really good month for the equity markets. To that I say -- it's about time!

After the worst first quarter in recent memory, stocks finally showed everyone that the bears hadn't taken up permanent residence on Wall Street. Now in the wake of the admittedly very good performance we witnessed in April, many pundits have taken to asking if the credit and equity market crisis is now over.

In my opinion, the answer to this question is a definite no.

I've been around this market game long enough to know that the credit crisis -- which fueled the equity market's decline since July 2007 -- is the result of a lot of years of built up excesses. Being able to borrow 100% of the money needed to buy a home is just one of the many forms of credit excess that has contributed to the market's woes. These credit excesses have got to be fully worked out of the system, and until they are, I fear more tumult ahead -- particularly in housing and financial stocks.

The Federal Reserve has done its best to try and staunch the credit market wound. In fact, the Fed tried again on April 30, once again cutting the cost of capital. The central bank's Federal Open Market Committee (FOMC) lowered the benchmark fed funds rate by 25 basis points to 2%. The FOMC also took down the discount rate by 25 basis points.

Will this rate cut by the Fed be the tonic the credit market and the entire economy need to recover from the widespread downturn we've seen during the past 10-plus months?

Once again, in my opinion, the answer is no.

Because there is an extreme lack of conviction about the state of the economy and the credit crisis operating in the market right now, my advice to you is to approach things here with extreme caution, but with a healthy sense of what I call, "objective optimism."

By objective optimism, I mean now is really the time to rely on the battle-tested, buy-and-sell rules that govern the Fabian investment plans.

Now as you can see by the table of the major market index performances during the past four weeks, eight weeks, 12 weeks and year-to-date (YTD), things certainly have improved. But the real key objective number to watch is the 200DD column. That column represents the price of the index in relation to its 200-day moving average.

This 200-day moving average is crucial to monitor, because if the major market indices can move above that average (into the positive column), it could really be the objective confirmation we are looking for that the crisis is indeed over.

Until that time, however, I think the best approach is objective optimism.

Why Brazil is 4x Better Than China

The #1 Market of 2008: Why Brazil is 4x Better Than China

Fellow Investor,

April's rally in global stock markets notwithstanding, the scorecard for global markets so far in 2008 makes for grim reading. Not a single European market is up so far this year. In Asia, only Taiwan and Pakistan are showing any gains. Latin America is the region that stands out, with Mexico, Chile, Colombia and Brazil all in positive territory. With both China and India down by as much as a third, and Russia down 10.7%, Brazil's 11.2% return to date stands head and shoulders above its BRIC rivals.

That Brazil is continuing its already remarkable bull run shouldn't come as a surprise. In the past five years, roughly since President Luiz Ignácio Lula da Silva took office amid fears he would crash the economy, Brazil has been a nine-bagger for U.S. investors. For all the press about China, investors in Shanghai have barely doubled their money over the same period.

So what explains Brazil's stellar performance? First, Brazil never reached the sky-high valuations of China. At the end of 2007, Brazilian stocks traded at a trailing P/E of 15, while Chinese stocks traded at a P/E of 27. Even after the Chinese market almost halved in value, it remained considerably more expensive than its Brazilian counterpart. Second, Brazil's index is heavy on big commodity names like Petrobras (PTR) and iron-ore producer Vale (RIO). The shares of these companies have soared on the back of the commodity boom.But here's the secret behind the Brazilian boom. Value investors know that the best companies don't necessarily make the best investments. Their quality already is reflected in the market price. The same principle applies to countries. When expectations are low, markets are cheap. And beating those low expectations drives huge stock market returns. That's why investors clean up by investing in "basket case" countries like Brazil and Russia, rather than by investing in "stars" such as China.

The #1 Market of 2008: The New BRIC Star

Even more so than Russia, Brazil has been the redheaded stepchild among the BRICs. Not only has Brazil been an economic laggard in terms of growth, but it also was the only BRIC country without an investment-grade rating. That all changed last week when rating agency Standard & Poor's awarded Brazil a BBB- credit rating. That single upgrade sparked a 6.3% jump in Brazil's Bovespa, soaring to an all-time high. The rise in the value of the market on that single day was greater than the value of the entire Bovespa in 2002.

Achievement of an investment credit rating is a watershed in the history of a developing country. As Guido Mantega, Brazil's finance minister put it: "Brazil now enters the club of the most respected countries, of the countries that are considered serious." Equally importantly, it also opens the floodgates of money from some of the biggest global pension and insurance funds. U.S. fixed-income investors, including pension funds and other institutional investors with some $2.6 trillion, will join the fray when a second ratings agency -- either Moody's or Fitch Ratings -- also upgrades the country. But that will come soon enough. Fitch Ratings has a team of analysts in Brazil at this very moment.

Once a poster child for the Latin American debt crisis of the 1980s, Brazil's fiscal budget today is in a surplus and the country is a net creditor. Inflation has plummeted from the triple-digit percentages of the 1990s to just 4.5% in 2007. Thanks to booming commodity exports, Brazil today boasts large-trade surpluses and dollar reserves that approach $200 billion. Soaring foreign direct investment, currently on track to match last year's record of $34.6 billion, will more than cover this year's projected current account deficit. Even though 33% of Brazilians live in poverty, domestic demand has risen strongly during the past two years, fueled by lower employment, higher wages and cheaper credit.

The #1 Market of 2008: Brazil A New Oil Superpower?

Brazil's President Lula da Silva, a former union leader with a fourth-grade education, has publicly attributed his country's newfound success to a "higher power." It's easy to see where divine providence has had its hand in the recent colossal oil discoveries that will complete Brazil's transformation from a barely self-sufficient producer into one of the world's major crude exporters.

Spectacular oil and gas discoveries are becoming the norm in Brazil. In November, Petrobras announced the discovery of the offshore Tupi field, with confirmed reserves of five billion to eight billion barrels. That find soon was followed by Jupiter, a natural gas area that Petrobras says is as big as Tupi. Last month, the head of Brazil's government oil regulatory agency, revealed "unofficial" figures from a new reservoir, known as Carioca, which may hold 33 billion barrels of oil and gas. If confirmed, that would make Carioca the world's largest discovery in at least 32 years, and trail just two larger oil reservoirs in Saudi Arabia and Kuwait. Put another way, that single field potentially could top all the proven reserves in the United States, catapulting Brazil into the world's oil-producing elite, ensconced between Nigeria (36 billion in reserves) and Venezuela (80 billion in reserves).

S&P's recent upgrade notwithstanding, Brazil has its challenges. The government continues to play too large a role in the economy. Public debt is still high compared with other emerging market economies. And the relentless appreciation of Brazil's currency, the Real, could hurt exporters. And as for lottery winners, good fortune is a double-edged sword, especially given Brazil's reputation for backtracking on reforms. Brazil must work hard to avoid the "oil curse," the dependence on one resource that dominates countries such as Nigeria and Venezuela. Nevertheless, kudos to Brazil for earning its way into the ranks of investment-grade countries. And kudos to investors who recognized the enormous profits to be made in Latin America's emerging economic giant.


Nicholas A. Vardy
Editor, The Global Guru

Miryan Martin entrando no Tubo

Recessions Often Begin With Positive GDP Data

Recessions Often Begin With Positive GDP Data

After the Advanced GDP came out last week at +0.6%, I was surprised to read a variety of commentary about the economy that was factually incorrect. Several pundits and economists had concluded that since GDP was positive, we therefore could not possibly be in a recession

The meme "Positive GDP = No Recession!" is demonstrably false, as we show in the proceeding pages. 

It took only a brief look at historical GDP data to unequivocally prove this to be the case. We used publicly available GDP data from the Bureau of Economic Analysis and from the Federal Reserve Bank of Philadelphia. The dating of recessions was as per the official tables kept by the Business Cycle Dating Committee of the National Bureau of Economic Research (NBER).   

The data so overwhelmingly proves that Recession can and often do begin with positive GDP, that one suspects the people making opposite arguments must never have actually reviewed any GDP data beyond the most recent headline. I have no other explanation for why so many people got this so wrong.

Before we go to the actual data, briefly consider just what a recession is. As formally defined by the NBER, it is the "Peak to Trough decrease in business activity" during an economic cycle. The peak marks the end of the expansion phase and the beginning of a recession. During the other phase of the cycle, between trough and peak, the economy is in an expansion. This is described as the economy's "normal state."

Given that the NBER dates the beginning of a Recession from the economic peak in business activity, one would expect that GDP during that quarter would be mostly positive -- not negative. And in fact, that is what the historical data often shows.

1. Many Recessions begin with a Positive GDP

Let's look at a the beginning of several post-WWII recessions:

• The 1980 contraction was officially dated from January 1980 through July 1980. GDP for the first quarter of 1980 was +1.09%. This contraction lasted only 6 months.

Note the 1980-82 period can be called a "double dip recession, with the next contraction beginning exactly 12 months later -- July 1981 -- and running another 16 months to November 1982. 

• The deeper 1973 recession ran for 16 months, from November 1973 - March 1975. That first quarter GDP was a positive +1.34%.

• The 1957 recession began with a GDP reading of +1.78%. It ended 8 months later in April 1958.

• GDP in the fourth quarter of 1948 was +3.61%. That 11 month recession was dated from November 1948 to October 1949.

• Lastly, its also worth noting that the 1960 and 1969 recessions began almost flat -- they had a marginally negative GDP number of -0.05% and -0.33% respectively.

Hence, the historical data shows that recessions do not always begin with negative GDP numbers,. Of the 11 post WWII recessions, 4 started with positive numbers, two were flattish.

1980:01    1.09%
1973:04    1.34%
1957:03    1.78%
1948:04    3.61%

1969:04    -0.05%
1960:02    -0.33%


Leading Quarter of 6 Post WWII Recessions, GDP

Data source Bureau of Economic AnalysisFederal Reserve Bank of Philadelphia
(Note: I will update this chart with the 1969 recession)


2. Advanced GDP that was Positive at beginning of recessions can be revised to Negative.

In the two most recessions, the Advanced GDP data was reported as positive, only to be revised to a negative Final number as more data became available.

Indeed, we frequently see revisions in GDP data -- in both directions -- as we move through each subsequent release from Advanced to Preliminary to Final.

The business contraction of 2001, as well as the consumer led recession of 1990, each began with a positive Advanced GDP release. However, the subsequent revisions took the GDP data in the negative column.   In fact, there were actually two quarters of positive GDP data during the 2001  recession which subsequently were revised to negative.


Advanced GDP Data and Final Revisions
2001 Q1     2.0%    -0.6%
2001 Q2     0.7%    -1.6%
1990 Q3     1.8%  -1.6%



Data source Bureau of Economic Analysis, Federal Reserve Bank of Philadelphia

Merrill Lynch's North American Economist, David Rosenberg noted that this is "why the NBER, unlike the media, don’t place as much emphasis on GDP when it makes the recession call."

3. Some recessions never have two consecutive quarters of negative GDP 

Lastly, consider the traditional measure of recessions as two consecutive quarters of negative GDP growth. That never occurred during the 2000-2001 recession:

3Q00: - 0.5%
4Q00: +2.1%
1Q01: - 0.5%
2Q01: +1.2%
3Q01: - 1.4%

Although we saw three quarters of falling GDP in 2000 and 2001, none were consecutive.

"Brief & Rare:"

The NBER notes that "Expansion is the normal state of the economy; most recessions are brief and they have been rare in recent decades." 

The recent comments from Messrs. Mankiw, Wesbury, Kudlow and Pethokoukis that an Advance GDP Release of 0.6% precludes the possibility of a recession were not only factually incorrect, they were quite puzzling. To be blunt, these are people that ought to know better. Chalk it up to Cognitive Dissonance.

I cannot understand why so many people fight desperately against any mention of what has come to be known euphemistically as the R word. Its not only silly -- its bad economic analysis.


Special thanks to Michael Donnelly, Chief Economist, PBP for all his assistance in the preparation of these comments. You can see his most recent commentary on this subject at CEO Economic Update.


Congratulations! Its a Recession! (April 30, 2008) http://bigpicture.typepad.com/comments/2008/04/congratualtions.html

Challenge for Economists: Positive GDP Recessions (May 6 2008) http://bigpicture.typepad.com/comments/2008/05/challenge-for-e.html

Business Cycle Expansions and Contractions  
National Bureau of Economic Research

Recession 2001: Business Cycle Dating Committee
National Bureau of Economic Research  
NBER, November 26, 2001    

Economic Research 

Bureau of Economic Analysis

Confidence or complacency   
David Rosenberg
Merrill Lynch 05 May 2008

"Playboy" traz ensaio na cerca com atriz de "Zorra Total"

"Playboy" traz ensaio na cerca com atriz de "Zorra Total"

da Folha Online

A atriz Miryan Martin, que já foi backing vocal do cantor Latino, está na edição especial de "Playboy Paixão Nacional".

Ela interpreta a personagem Rosinha, que recebe investidas de Nerso da Capitinga no humorístico "Zorra Total".

A dançarina Andressa Soares já apareceu na publicação especial da "Playboy", também em um ensaio de 64 fotos.

Autumn Sonnichsen/Divulgação/Playboy
Miryam Martin realizou fotos de ensaio perto de cercas; Nerso tenta pular a cerca com sua personagem
Miryam Martin realizou fotos de ensaio perto de cercas; Nerso tenta pular a cerca com sua personagem

May 7, 2008 Stock Market Recap

May 7, 2008 Stock Market Recap

The sellers stepped their game up today and wiped out most of last Thursday’s gains. Yesterday I was surprised that stocks traded opposite the dollar. That dynamic continued today and oil traded up along with the dollar. I’m not sure what to make of that but it is a notable change of character. What I do know is that the indices are heading for some important support levels.

The Dow dove 1.6% after toying with its 200-day moving average for the fourth session in a row. 12,850 looks like an important level because the March trendline crosses February support/resistance in that area.

The Nasdaq is also closing in on its February high, which should be support.

The S&P actually slipped back below its February high today but it’s still above the upward sloping March trendline.

Trend Table

All the short-term trends flipped to down today.

TrendNasdaqS&P 500Russell 2000

(+) Indicates an upward reclassification today
(-) Indicates a downward reclassification today
Lat Indicates a Lateral trend

*** I’m simply using the indices’ relations to their 200, 50 and 10-day moving averages to tell me the long, intermediate and short-term trends, respectively.

Post from: Trader Mike's Blog

May 7, 2008 Stock Market Recap

O Brasil é grau de investimento

Alegria: o Brasil é grau de investimento

Por Rolf Kuntz em 6/5/2008

A imprensa entusiasmou-se quase tanto quanto o governo com a elevação do Brasil ao grau de investimento, anunciada na última quarta-feira de abril (30/4) pela agência de classificação Standard & Poor’s. A notícia foi manchete dos principais jornais na quinta-feira. Alguns limitaram-se a informar, no título, a nova classificação conferida ao país. Outros foram além e reproduziram a opinião da agência: o Brasil, proclamaram, tornou-se local seguro ou mais seguro para os investidores. Todos mencionaram, ainda na primeira página, o entusiasmo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de seus ministros e a reação na bolsa de valores, com alta de 6,23% do Ibovespa, a maior em seis anos.

Tudo bem, a notícia era realmente importante e os editores tinham uma boa razão para dedicar muito espaço ao material. Por muito menos se enchem, às vezes, páginas e páginas dos cadernos de economia. Tudo bem, igualmente, com a reprodução das falas entusiasmadas do presidente Lula, do ministro da Fazenda, Guido Mantega, do presidente do Banco Central, Henrique Merelles, e de um monte de economistas, operadores do setor financeiro e empresários privados. Um pouco mais de perspectiva, porém, não atrapalharia a cobertura nem depreciaria indevidamente a nova classificação do país.

Em primeiro lugar, valeria a pena um pouco mais de atenção ao texto distribuído pela Standard & Poor’s. Em duas páginas e meia, os economistas da agência explicaram seus critérios e mostraram por que decidiram elevar a classificação do Brasil. Mas não ficaram nisso. A primeira página contém uma lista de três fatores positivos e três negativos para o julgamento dos investidores. Os três primeiros pesaram mais na decisão, obviamente, mas os negativos são importantes e podem determinar, mais tarde, um rebaixamento do Brasil.

Ritmo de crescimento insustentável

Só alguns jornais mencionaram os dois conjuntos de fatores e deram mais destaque aos positivos, como a continuidade das políticas fiscal e monetária, a contenção da inflação e a melhora dos indicadores de endividamento. Até aí, tudo OK, mas os pontos negativos aparecem duas vezes no relatório. Na primeira são indicados sinteticamente: 1) grande endividamento público e pesada carga de juros; 2) rigidez orçamentária e gasto corrente elevado; 3) obstáculos estruturais ao investimento e a um crescimento econômico mais em linha com o dos outros países emergentes.

Esses pontos são retomados no final do relatório, de modo mais extenso, acompanhados de uma série de recomendações. É preciso elevar a taxa de investimento, reduzir o custo Brasil, simplificar o regime tributário, baixar tarifas de importação e facilitar a participação privada no setor de energia e noutras áreas da infra-estrutura. Os avanços conseguidos até agora, segundo a Standard & Poor’s, são suficientes para um crescimento sustentável de 4% a 4,5% ao ano. Para mais que isso, são necessárias aquelas outras inovações.

Nenhum jornal destacou esse detalhe na parte informativa. Ao indicar um limite para o crescimento sustentável da economia brasileira nas atuais condições, a agência contrariou uma opinião sustentada com muito empenho por muita gente do governo federal e por alguns economistas de renome. Em outras palavras: a Standard & Poor’s, ao atribuir ao Brasil o grau de investimento, reconheceu avanços ocorridos nos últimos anos, mas ainda considera o país incapaz de sustentar o ritmo de crescimento dado como realizável pelo governo.

Tendências preocupantes

Os editores talvez valorizassem mais esse detalhe se não esquecessem, ao tratar da boa nova, duas das notícias mais importantes da semana: a deterioração das contas externas e as pressões inflacionárias apontadas pelo IGP-M (Índice Geral de Preços-Mercado) de abril.

O IGP-M desmente a idéia de pressões limitadas ao setor agrícola – ao "feijãozinho", como disse o ministro da Fazenda. As matérias-primas industriais também pressionam fortemente os custos. Quanto às contas externas, em apenas um trimestre o país acumulou um déficit de US$ 10,7 bilhões em transações correntes, quase todo o valor previsto pelo BC para 2008: US$ 12 bilhões. Os dados da inflação e das contas externas estão longe de ser catastróficos, mas indicam tendências preocupantes. Como esquecer esses dados, ao noticiar o primeiro grau de investimento concedido ao Brasil?

Começou a corrida atrás da Nuvem Informativa

Começou a corrida atrás da Nuvem Informativa
Postado por Carlos Castilho em 4/5/2008 às 10:16:31 PM

As empresas Google e IBM anunciaram a primeira grande ofensiva para controlar o que os especialistas chamam de nova fronteira da era digital, ou em termos técnicos, a Nuvem Informativa (Information Cloud).

Não é ficção científica não. É a mais pura realidade tecnológica que está deixando os laboratórios de pesquisa para ingressar no universo corporativo e pode pousar em breve nos computadores domésticos.

O conceito de nuvem surgiu nos anos 70 quando os cientistas perceberam que o desenvolvimento da internet e das redes de comunicação acabaria criando um espaço virtual sem dono e sem fronteiras onde circulariam softwares e informações que poderiam ser acessadas por qualquer usuário.

A primeira grande aposta corporativa no conceito de nuvem foi feita pela empresa Google que começou a desenvolver, em 2002, softwares de edição de textos, planilhas eletrônicas, correio eletrônico e agendas que não seriam baixados em computadores como acontece com os programas Word, Excel e o OutLook, da Microsoft, por exemplo.

Os programas colocados na nuvem computacional são grátis e capazes de serem acessados em qualquer lugar. Daí para o surgimento do conceito de nuvem informativa foi um passo. Informação disponível na rede, capaz de ser acessada em qualquer lugar e potencialmente livre de qualquer direito de propriedade.

Cientistas alemães começaram a estudar as conseqüências sociais e culturais da nuvem informativa ao desenvolver o modelo iClouds, que faz parte do projeto MUNDO (Móbile and Ubiquous Networking via Distributed Overlays – Rede Móvel e Ubíqua por meio de Camadas Distributivas).

A arquitetura informativa em nuvem explora as relações que as pessoas poderão estabelecer a partir do uso de sistemas pessoais de comunicação, chamados iClouds, muito semelhantes aos telefones celulares. O estudo feito na Universidade Tecnológica de Darmstadt, na Alemanha, afirma que estes aparelhos de comunicação pessoal dispensam o controle centralizado dos celulares e não dependem da internet.

A mais revolucionária de todas as idéias desenvolvidas pelo projeto Mundo é a de que a capacidade informativa de cada indivíduo cresce proporcionalmente ao número de pessoas ingressam na área de alcance do seu aparelhinho. Isto pode significar um novo e radical avanço na descentralização no fluxo de noticias, por exemplo.

O projeto Mundo ainda é um estudo inconcluso, mas a IBM e Google apostam juntas na idéia da nuvem e decidiram ocupar espaços estratégicos no ambiente virtual. O que as duas mega empresas estão costurando é uma rede planetária de computadores, do tipo servidor, capazes de rodar 90% dos aplicativos usualmente residentes no disco duro dos computadores.

Os usuários acessarão os aplicativos, realizarão todas as suas tarefas online e guardarão o material em arquivos digitais também na Web. Será um passo gigantesco no sentido da implantação do modelo tudo é de todos e ninguém é de ninguém. Ou seja, a utopia socialista materializada na Web, pela mão de dois ícones do capitalismo mundial.

Ainda é muito cedo para saber se isto vai dar certo ou não. As coisas na internet são essencialmente fluidas e não dá para afirmar nada em caráter definitivo. Mas a corrida pela nuvem já começou nos bastidores da internet.

terça-feira, 6 de maio de 2008

Turn Your Point-and-Shoot into a Super-Camera

Camera Hacks

Turn Your Point-and-Shoot into a Super-Camera

If you're using a consumer grade point-and-shoot Canon digital camera, you've got hardware in hand that can support advanced features way beyond what shipped in the box. With the help of a free, open source project called CHDK, you can get features like RAW shooting mode, live RGB histograms, motion-detection, time-lapse, and even games on your existing camera. Let's transform your point-and-shoot into a super camera just by adding a little special sauce to its firmware.

What is CHDK?

The Canon Hacker's Development Kit, aka CHDK, is a firmware enhancement that supports an impressive array of Canon digital cameras. I emphasize the enhancement aspect of CHDK because the tool is non-permanent and non-destructive, meaning that you load it onto your camera whenever you want to use it; CHDK makes no changes to your camera, and turning it off is simply a matter of restarting your camera. Installing CHDK involves copying a couple of files onto your camera's memory card; permanently removing it from your camera entails deleting those files. It's simple and powerful (sort of like hacking your router firmware) but even easier.

What Can CHDK Do For Me?

Now that you're convinced that CHDK is easy to install and use, let's consider what makes it worth doing so. From the CHDK wiki: (Pictures below of CHDK in action also from the CHDK wiki, since I have only one camera and it's the one running CHDK.)
  • histogram-example.pngEnhanced Image Capture: CHDK supports RAW format for pictures (in addition to JPEG), longer recording time and length for videos (up to 1 hour or 2GBs), and several new compression options.
  • Additional Information On-Screen: With CHDK, you can customize your on-screen display to your heart's content, including worthwhile information like remaining battery life, histogram, depth of focus, and more.
  • Additional Photographic Settings: CHDK takes many of the features already available on your camera and gives you way more options, including longer exposure times (up to 65 seconds), faster shutter speeds (1/25,000 sec or faster), automatic bracketing of your photos, and more.
  • chdk-userscripts.pngSupport for Small Programs/Scripts: CHDK can run small scripts that will allow your camera to perform a set of actions based on the conditions of the script. Tons of scripts are available, and they provide functionality like motion-sensing photography (which reportedly works for lightning strikes) and unlimited interval time-lapse photography (see video below).

Even better, CHDK is being actively developed, which means that new features are always on the horizon. There are actually several versions of CHDK in development, but the version we're going to focus on is called the Allbest build—a build that incorporates many of the best features available in other builds (get it?).

What You'll Need

To use CHDK, all you need is a supported Canon digital camera and an SD memory card. If you've already got a supported camera then it only follows that you've got the memory card, so you're already well on your way.

Install CHDK

Even if your camera is listed as supported, you must know your camera's firmware version before you're ready to install CHDK. Here's how.


Determine Your Firmware's Version Number:

In order to determine your camera's firmware version, you need to create an empty file on your computer called ver.req (not ver.req.txt), and copy this file to the root directory of your SD card. On Windows, for example, you could right-click your desktop, select New -> Text File, and then rename the untitled.txt file to ver.req. (Windows Explorer should be set to show extensions.) Alternately you could create an empty text file in Notepad, click File -> Save as, name the file ver.req, and save it as type All files.

If your digital camera supports disk mode (i.e., if it shows up on your computer with a drive letter or as a mounted drive), all you need to do is create the empty ver.req file and copy it over to the very first level of the drive. If your camera does not support disk mode, your best bet is to stick your SD card in a reader and then copy ver.req to the card. Finally, if your camera doesn't work in disk mode and you don't have an SD card reader, a program called the uploader is available. (Search for it on the linked page.) This program is supposed to address this problem. (I haven't tested it, but it's supposed to upload files to cameras that do not appear as a disk.)

After you've copied the ver.req file to your camera, determining your firmware version is simple. Just turn your camera on (in review mode, not in camera mode), press and hold Function/Set (FUNC. SET on my camera), then press and hold the Display (DISP) button. Your camera should flash information on the screen, including text that looks something like this:

Firmware Ver GM1.01B

The 1.01B part is your firmware version.

Download and Install the Appropriate CHDK Files:

Now that you've got your camera's firmware version, you're ready to see if it can run CHDK and then go ahead with the installation. If you want to go with the Allbest build on your camera, head to the download page and find the build that matches both your camera and your firmware version. For example, my camera is a Canon SD1000, firmware version 1.01B, so the file zip file of Allbest I download looks like this:


You may also want to check out the firmware comparisons page to see which CHDK builds will support your camera's firmware version. If your camera is supported but your current firmware is not, you can download an official firmware update from Canon so that you're using one that is.

chdk-files.pngOnce you've downloaded the proper build, you'll unzip a folder containing at least two files—one called BOOTDISK.BIN and another called PS.FIR. All you have to do now is copy those to files to the root of your camera's SD card, again either by dragging them to the top level of your camera in disk mode, through a card reader, or using a program like the uploader mentioned above (though there are special steps for Mac users).

Now that you've installed CHDK, all that's left is to fire it up and try it out. As I said, CHDK is non-destructive to your current firmware, so if you just turn on your camera you won't notice anything different. You have to run CHDK each time you want to use it. Here's how:

Run CHDK on Your Camera

chdk-splash.pngAgain, turn your camera on in review mode. Now hit the Menu button and head all the way to the bottom of the menu options, where you should now find a Firm Update... option (if this isn't there, either CHDK isn't correctly installed or you didn't start in review mode). Hit SET on Firm Update and you'll be asked to confirm a firmware update. Select OK and your camera will load CHDK, you'll see a splash screen telling you that you're using CHDK, and then you'll likely see a few more bits of info on your onscreen display.

You're now running CHDK.

How to Use CHDK

reset-main-menu.pngBefore you start using CHDK's many features, you'll need to understand the new key settings and shortcuts for operating with CHDK. The important thing to know is that even with CHDK running, your camera works the same as always under normal conditions. Your buttons do the same thing as always, with the exception of one—either the direct print button or the user selectable button. This will put your camera into what the CHDK documentation refers to as ALT mode. When you're in ALT mode, your camera's keys take on new meaning. Here's a rundown of the most important (you can see more on the CHDK wiki):
  • Toggle RAW: ALT mode + (+/-) key for A-series cameras; ALT mode + FUNC for S-series; ALT mode + ERASE for G-series
  • Open Main Menu: ALT mode + MENU
  • Toggle Histogram: ALT mode, then Half-press shutter + Up
  • Toggle CHDK On-Screen Display: ALT mode, then half-press shutter + Right
I found that some of the shortcuts listed were hit-or-miss—for example, on my S-series camera ALT mode + DISP toggled RAW mode. The most important thing to know is that pressing MENU in ALT mode brings up the alternate CHDK menu rather than your camera's default menu. From there, you can adjust virtually any of CHDK's settings.

reversi.pngThe best way to get to know CHDK is to play around with the menu to get a feel for what it has to offer. (Be sure to check out Games under Miscellaneous stuff for a quick round of Reversi.) If you've never used some of the more advanced functionality on other cameras, it may seem daunting at first, but with a little effort you'll likely learn to love your camera's new features. And don't worry, if you ever tweak CHDK to a point that you're not happy with it but you don't know how to undo what you've done, you can just reset all of the options. If CHDK ever freezes and you can't turn it off, just pop out your camera's batteries and restart. Everything will be back to normal.

Extra Scripts and Other Goodies

Now that you're running CHDK, you may want to test out its scripting capabilities. As I mentioned, CHDK runs scripts written in a shorthand version of BASIC called UBASIC. If you're interested in coding scripts, you can get started here and here. Most of us, however, just want to use scripts.

To do so, first you need to find and download a script. There are tons of user submitted scripts to choose from, so just find one you like—such as a motion detection, unlimited interval shooting, or high-speed shutter and flash sync script—and download it to your computer. Installing the script for CHDK to use is a simple matter of moving it to your SD card in the CHDK/SCRIPTS/ folder.

To activate a script, open the Script menu (ALT mode + FUNC on my camera), navigate to the scripts folder, and select the script. To execute the script (i.e., to run it), just press the Shutter in ALT mode.

Automatically Running CHDK

Once you've gotten comfortable with CHDK, you may want it to load automatically whenever you turn on your camera. The CHDK wiki explains how.

I'm new to CHDK, so if you've been playing around with it since we first posted about it or longer, share your experience in the comments.

Adam Pash is a senior editor for Lifehacker who enjoys a good firmware upgrade, from hacking routers to digital cameras. His special feature Hack Attack appears every Tuesday on Lifehacker. Subscribe to the Hack Attack RSS feed to get new installments in your newsreader.

Inflação e Selic

25/04/2008 15:20:13
Delfim Netto

Desde 2002, há um movimento de alta de preços no mundo, produzido basicamente por seis fatores: 1. Expansão da economia mundial, que passou de um crescimento de 3,2% entre 1998 e 2002 para 4,6% de 2003 a 2007. 2. Fantástico déficit em conta corrente dos Estados Unidos, que subiu de 213,5 bilhões de dólares (ou 2,44% do PIB), em 1998, para 738,6 bilhões de dólares (ou 5,3% do PIB) em 2007. 3. Desvalorização do dólar no mercado internacional (sem ser acompanhada por uma inflação interna nos EUA) da ordem de 40% entre 2002 e 2008. 4. Como o dólar é a unidade de conta do mercado internacional, a desvalorização estimulou importante aumento dos preços (nominais em dólares) das commodities. 5. Déficit comercial e política estratégica dos EUA para conter a União Soviética no período da Guerra Fria, que foram absolutamente instrumentais para a expansão econômica da China, da Índia e, delas, para os seus parceiros asiáticos. A expansão da renda e da urbanização desses países aumentou a demanda de bens agrícolas e minerais, principalmente aqueles controlados por cartéis ou cuja oferta é pouco elástica a curto e médio prazo. 6. “Descoberta” dos hedge funds de que podiam especular no mercado de commodities, cujos preços, conseqüentemente, se descolaram dos fundamentos.

O mundo vive um fenômeno muito conhecido, que é a vantagem dos devedores quando a receita cresce por efeito da inflação e as dívidas não têm correção monetária. O mundo emergente estava endividado em dólares com taxas de juro flutuantes basicamente controladas pelo mercado americano. O aumento da demanda física de suas exportações, acompanhado do aumento dos preços em dólares nominais (inflação externa não internalizada nos EUA), produziu um enorme aumento do valor das exportações dos emergentes. Como nem a amortização nem a taxa de juros (que corrige o valor do serviço da dívida) cresceram, eles receberam um bônus que aliviou a sua situação externa. O Brasil é testemunha desse fato.

O quadro sugere que em algum momento os EUA terão de ajustar o seu déficit em conta corrente e, provavelmente, internalizar parte da desvalorização externa do dólar. Este desandou de uma vez a partir do início de 2002. Sua alternativa é perdê-lo como unidade de conta do comércio internacional e principal moeda-reserva. A crise atual iniciada pelo subprime não é esse ajuste. É apenas a ponta do iceberg que se esconde embaixo do fato de que os EUA durante muitos anos (praticamente desde 1997) vêm consumindo e investindo acima de sua capacidade produtiva.

Não tenhamos ilusões. Os EUA não são o que são por acaso. Vão, como no passado, fazer o que deve ser feito, depois que resolverem a atual crise interbancária que poderia causar uma recessão fora de controle. E vão fazê-lo quando ficar visível a internalização da inflação externa do dólar: vão aumentar o juro, diminuir o crescimento (e o emprego) e reduzir o déficit em conta corrente. Isso valorizará externamente sua moeda e reduzirá (ou eliminará) o crescimento dos preços das commodities. Quando vemos Paul Volcker se aproximar de Barack Obama e sugerir que o “Federal Reserve andou perto da ilegalidade”, com o seu suporte descuidado ao sistema financeiro, devemos tremer na base. Como tremeu, aliás, o grande ministro Mário Henrique Simonsen, quando soube, em agosto de 1979, que Jimmy Carter convidara Volcker para a presidência do Fed.

Mas esse não é, hoje, o nosso problema, nem o dos EUA. Hoje temos um cabo-de-guerra entre o Banco Central e o Ministério da Fazenda a respeito de saber se estamos ou não na iminência de uma superinflação que precisa ser prevenida com um superaumento da taxa Selic, que passou de 11,25% (já a maior do mundo) para 11,75%, e deve atingir qualquer coisa entre 12,50% e 13,25% em dezembro, de acordo com a “ciência” de que dispõe cada analista. O problema é que não há sinais claros de excesso de demanda. O grosso do aumento dos preços vem de um número limitado de produtos (estimulados externamente e por condições climáticas passageiras), que para ser alcançados por uma redução da demanda exigirão um aumento do desemprego e uma queda da renda real. O pior é que daqui a nove ou dez meses, quando a inflação voltar à meta (como voltaria naturalmente), algum econometrista vai provar que isso foi o efeito do aumento preventivo da taxa de juro.

Delfim Netto


Ameaça de pacote faz dólar subir

Os rumores de que o governo poderá baixar um conjunto de medidas cambiais destinadas a barrar a entrada do capital externo atraído pelo novo status de risco do Brasil fizeram o dólar fechar ontem em alta após acumular baixa de 3,23% desde o anúncio feito pela S&P, na tarde do dia 30. A moeda fechou cotada a R$ 1,6580, em alta de 0,48%. Na máxima do dia, chegou a subir 0,85%, a R$ 1,6640. A perda de ímpeto resultou de desmentidos algo tímidos e nada explícitos da equipe econômica. Enquanto o ministro da Fazenda, Guido Mantega, guardou silêncio o do Planejamento, Paulo Bernardo, disse desconhecer estudos dentro do governo a respeito do fluxo de recursos externos. E, da Suíça, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, ao garantir que o dinheiro estrangeiro que entrará como conseqüência do grau de investimento será de qualidade, sugeriu implicitamente a inutilidade de se taxá-lo já que, por sua natureza, busca prazos maiores que o smart money especulativo.

Não interessa à Fazenda e ao Planalto desmentir categórica e irrefutavelmente a idéia de que será, após o selo de segurança da S&P, necessária a imposição de algum tipo de controle de capital. Será conveniente que o mercado opere sempre com a suspeita de que, se exagerar, uma porta-giratória seletiva será posta à entrada. Pelo diagnóstico da ala desenvolvimentista do governo, o afluxo de dólares poderá, ao apreciar ainda mais o câmbio, derrubar o superávit da balança comercial e ampliar o déficit em transações correntes. Essa interpretação é vista com ressalvas pelos analistas do mercado.

Pela lógica do modelo novo-clássico de política econômica atualmente em vigor no Brasil, o juro básico terá de permanecer elevado não só para combater a inflação mas também para debelar o déficit em transações correntes. O carimbo de economia segura ao investimento externo, conferido pela S&P na semana passada, pode agravar os dois problemas. Pode desinibir, por excesso de confiança, o repasse aos preços dos custos majorados pelas importações e petróleo mais caros. E, pela ótica da análise mais ortodoxa, o déficit nas contas correntes cresce velozmente devido ao aumento acelerado da absorção relativamente ao produto. "Com o comportamento benigno dos fluxos de capitais, que se acentua com a promoção ao grau de investimento, o câmbio real tende a se valorizar, sendo fundamental reduzir a absorção para manter a sustentabilidade das contas correntes", diz relatório da consultoria do ex-presidente do BC Affonso Celso Pastore.

Há duas maneiras de se fazer isso: ou pela política fiscal ou pela monetária. A forma de fazê-lo através da política fiscal não é elevando os superávits primários, os quais servem apenas para garantir a solvência da dívida pública, mas sim cortando gastos de consumo do governo, que é, na opinião de Pastore e da maior parte do mercado, a forma mais eficiente de reduzir a absorção. "Mas esta opção não está no cardápio do governo", diz o estudo. Isso empurra o BC a realizá-lo por meio do crowding-out do consumo e dos investimentos privados. Ou seja, a opção é pelo arrocho mesmo.

Os juros subiram no mercado futuro da BM&F não só porque o dólar parou de cair. O contrato para janeiro de 2010 avançou de 13,55% para 13,68%, enquanto a taxa para janeiro de 2011 evoluiu de 13,43% para 13,62%. Um outro motivo foi citado pelos tesoureiros para justificar as taxas mais elevadas. A razão foi a nova rodada de deterioração das expectativas de inflação das instituições pesquisadas pelo Boletim Focus. O pretexto é tecnicamente falho. A projeção que piorou de forma mais dramática foi à relativa ao IPCA para o acumulado de 2008. De acordo com a mediana das cem instituições ouvidas, o prognóstico subiu de 4,79% para 4,86%. E só para o índice oficial de 2008 a expectativa supera a meta central de 4,5%. Para 2009, a projeção subiu de 4,40% para 4,49%. E, para os próximos 12 meses, até caiu, de 4,43% para 4,42%. Acontece que as decisões puras de política monetária tomadas hoje não têm efeito sobre o IPCA de 2008. A menos que o BC resolva elevar as alíquotas incidentes sobre os depósitos compulsórios, cujo efeito de compressão da liquidez e elevação dos juros do crédito é imediato, as decisões de aumento da taxa Selic só surtirão impacto sobre a demanda no começo do ano que vem. Ou seja, o IPCA deste ano só não estará dado se o Copom resolver dar um choque de juros para valer. Mas isso amplia a distorção segundo a qual o país que mais paga juro real no mundo já desfruta do grau de investimento. Se é seguro, não precisa pagar juro alto.

Luiz Sérgio Guimarães é repórter de finanças

Minha lista de blogs